• Dra. Andrea Pereira

Deficiência de Vitamina B12 e B1 após a Cirurgia Bariátrica



Vitamina B12

A vitamina B12 é um cofator importante no funcionamento dos nervos, interferindo em diversas reações bioquímicas, responsáveis pela produção de neurotransmissores e de componentes do sistema nervoso central, além de ter influência sobre a divisão celular, produção de material genético e de hemácias, no funcionamento mitocondrial e participando no metabolismo de aminoácidos e ácidos graxos. Portanto sua deficiência além de acarretar anemia megaloblástica, interfere também em várias áreas, incluindo o sistema nervoso.


Essa deficiência nas cirurgias do trato gastrointestinal pode chegar a 62%. O mecanismo é multifatorial associado à redução na produção do fator intrínseco, prejudicando a sua absorção no íleo; redução do ácido clorídrico do estômago, reduzindo a bioviabilidade da mesma na alimentação; intolerâncias alimentares, principalmente carne vermelha e outros derivados de origem animal, reduzindo o consumo de alimentos com vitamina B12; e alterações de produção enzimáticas decorrente da cirurgia, levando a alteração na produção de pepsina e consequente prejuízo na digestão de proteínas.


Os sintomas dessa deficiência podem ser fraqueza, depressão, mal-estar, formigamento nas pernas, alteração de memória e desequilíbrio.


O tratamento da deficiência de B12 deve ser a adequação do consumo dentro da dieta diária e suplementação por comprimido ou intramuscular.


Tiamina ou Vitamina B1

A tiamina, uma coenzima para enzimas essenciais, é absorvida no duodeno proximal, com maior eficiência no meio ácido, e estocada no musculo esquelético, cérebro, fígado e rins, cujo estoque dura de 2 a 3 semanas. A alteração anatômica causada pela cirurgia, redução da produção do ácido do estômago, restrição do consumo de B1 na dieta e vômitos são as causas principais da deficiência de tiamina.


A deficiência pode causar sintomas do beribéri seco e úmido, que são os quadros menos graves:


Beribéri úmido ou cardíaco: aumento ou queda da frequência cardíaca, acidose láctica, falta de ar, inchaço nas pernas e dilatação do ventrículo do coração.


Beribéri seco ou neurológico: convulsão, fraqueza muscular, dor em pernas e/ou braços, exacerbação dos reflexos tendíneos e musculares.


Essa deficiência pode ocasionar um quadro grave, a Encefalopatia de Wernicke, caracterizada por alteração em vários nervos, desequilíbrio, movimentos involuntários dos olhos, redução dos movimentos oculares, perda da memória recente, confusão e coma. Quando associada à psicose e alucinação temos a Síndrome de Wernicke-Korsakoff. Esses quadros requerem uma reposição urgente de tiamina devido a possibilidade de evolução para coma e óbito.


Como o quadro clínico de deficiência de tiamina pode se agravar chegando a coma e óbito, em casos suspeitos devemos colher o exame e já suplementar a tiamina, porque o resultado demora em média 14 dias para sair.


Não espere ter esses sintomas para procurar ajuda. Procure seu médico e faça exames anualmente após a cirurgia bariátrica. O acompanhamento é fundamental antes e depois da cirurgia para prevenir as deficiências nutricionais e o ganho de peso.


Artigo desenvolvido por: Dra. Andrea Pereira