• Dra. Andrea Pereira

Deficiência de Proteínas, Ferro e Cobre após a Cirurgia Bariátrica


Proteína

É a mais frequente das deficiências dos macronutrientes. A deficiência de proteína, uma complicação associada aos procedimentos cirúrgicos disabsortivos (3-6 meses após a cirurgia), pode ser diagnósticada pela redução da albumina no sangue. Está relacionada a 1% das hospitalizações após esses procedimentos e a maior risco de infecções e dificuldade de cicatrização de feridas.


A falta de proteína ocasiona a perda de massa muscular, também associada a piora de prognóstico, de cicatrização cirúrgica, maior risco de infecções e de morte.


Os pacientes com essa deficiência podem apresentar sintomas de fraqueza, perda de massa muscular, desequilíbrio com aumento do número de quedas, infecções recorrentes, queda de cabelo e dificuldade de cicatrização.


O tratamento deve ser baseado na adequação da dieta oral e uso de suplementos proteícos. Em alguns casos, há necessidade do uso de nutrição parenteral, que é uma dieta infundida pela veia, quando há uma deficiência muito grave.


Ferro

A deficiência de ferro é uma das mais comuns após a cirurgia bariátrica, ocorrendo em até 70% dos pacientes e em mulheres em idade fértil, por causa da menstruação, onde perdemos sangue e como consequência ferro. Após 5 anos de cirurgia esse risco é aumentado devido a redução dos estoques de ferro corporais pelas perdas sanguíneas e pela baixa ingestão de alimentos com ferro. A redução do ácido clorídrico produzido no estômago e redução da absorção geral do ferro no duodeno e jejuno proximal também contribuem para essa deficiência.


A principal consequência clínica é a anemia, levando a queda das hemácias e da ferritina, ambos importantes no diagnóstico. Os sintomas mais comuns são palidez, fraqueza, cansaço, aumento da frequência cardíaca, queda de cabelo e redução da performance em exercícios físicos e em atividades diárias.


O tratamento deve incluir aumento do consumo de ferro na alimentação, destacando a carne vermelha, onde temos uma maior quantidade de ferro na forma a ser absorvida. No caso de deficiências mais graves ou em pacientes que não consumam carne vermelha e/ou quantidades insuficientes de ferro na dieta, o tratamento pode ser de reposição de ferro na forma de comprimidos ou por via endovenosa.


Embora tenhamos ferro nas verduras verde escuras e em outros legumes, a absorção dele não é tão efetiva. Algumas pessoas cozinham alimentos com pregos, parafusos ou pedaços de ferro, porém isso não ajuda a melhorar a anemia por falta de ferro.


Associar a vitamina C e fruto-oligossacarídeos à suplementação de ferro pode prevenir o intestino preso que é um dos seus efeitos adversos da reposição de ferro, melhorando a flora intestinal e a absorção desse mineral.


Além disso, em casos de deficiência de cobre, a absorção de ferro é prejudicada, por isso devemos avaliar esse micronutriente no caso das deficiências de ferro que não melhoram com o tratamento.


Cobre

O cobre é uma coenzima essencial para a formação do sangue e funções do sistema nervoso central. Sugere-se uma evolução anual do nível sérico de cobre para pacientes após a cirurgia bariátrica e um acompanhamento mais rigoroso quando apresentar anemia, queda dos glóbulos brancos, sintomas neurológicos ou problemas de cicatrização de feridas. Em média 10% dos pacientes após a cirurgia apresentam essa deficiência, sendo que a maioria dos casos é assintomático.


A deficiência de cobre pode ser ocasionada pela suplementação de zinco, devido à competição pela mesma área de absorção, como também pela redução da sua absorção provocada pela cirurgia e do consumo de alimentos ricos em cobre por intolerâncias. Os principais sintomas são uma anemia , queda dos glóbulos brancos e de outra células produzidas pela medula. Nos casos mais graves, podemos ter redução da pigmentação da pele, cabelo e unhas, formigamentos, fraquezas e dores nas pernas e braços.


O cobre participa da absorção de ferro, tanto na célula intestinal quanto na medula óssea, portanto quando há deficiência desse elemento a absorção do ferro por via oral ou venosa é prejudicada. Portanto, nas deficiências de ferro que não respondem ao tratamento, devemos investigar os níveis de cobre.


A reposição de cobre por via oral é o tratamento mais comum nesse problema.


Não espere ter esses sintomas para procurar ajuda. Procure seu médico e faça exames anualmente após a cirurgia bariátrica. O acompanhamento é fundamental antes e depois da cirurgia para prevenir as deficiências nutricionais e o ganho de peso.


Artigo desenvolvido por: Dra. Andrea Pereira